1

O que podemos aprender com o Oscar para criar um discurso impecável

6 minutos para ler
admin
Por Marketing

Os discursos do Oscar são quase tão esperados quanto o resultado da premiação.

E, todos os anos, durante a cerimônia, pelo menos um dos discursos do Oscar chama muita atenção. E, assim como roteiros de cinema têm muito a nos ensinar quando se trata de apresentações, essas performances dão um show de conteúdo e performance.

E, destacar-se em meio a tantas apresentações não é tarefa fácil! Pensando nisso, dissecamos a apresentação impecável de Viola Davis em 2017 para revelar quais os segredos para se destacar ao discursar em público.

Contextualizando a performance

Para começar, é importante apresentar o contexto desse discurso  que, por se só, já causava impacto. A atriz foi premiada na categoria Melhor Atriz, por sua atuação em Um limite entre nós (Fences), ao lado de Denzel Washignton. Como bem disse a GQ Magazine, “uma combinação tão apelativa que deveria ser proibida”.

O longa se passa na década de 1950, e conta a história de Troy (Denzel), um homem que enfrenta os problemas raciais dos Estados Unidos e, ainda, tenta lidar com outras situações complicadas de sua vida, incluindo problemas com sua mulher (Viola) e filho.

Esses mesmos papéis já tinham rendido o Tony Awards aos dois, em 2010, por suas performances na Broadway. Ou seja, em seu favor, Viola tinha muita história para contar.

Storytelling: amarrando os fatos

O primeiro acerto de Viola foi a forma como deu início a seu discurso, com uma frase de impacto, com conteúdo inesperado e que, justamente por gerar espanto/surpresa, já despertava interesse do público. Observe:

“Obrigada, Academia. Sabe, existe um lugar onde estão reunidas todas as pessoas de grande potencial. Existe um lugar, e é o cemitério.”

Ela aguça a atenção dos espectadores, sem exagerar. Na sequência, ela utiliza estratégias que podem valer para discursos e apresentações em quaisquer ocasiões: pausa, questionamento, criatividade, humanização e engajamento.

Pergunta e pausa

Com uma indagação que, ao mesmo tempo que criava interação com a plateia (ainda que tenha sido uma pergunta retórica), mantinha o ar de mistério sobre o assunto tratado, vindo da frase inicial de impacto, ela mantém o público engajado.

“As pessoas sempre me perguntam: Viola, que tipo de histórias você quer contar?”

Então, entra uma pausa. Drama. Esse drama faz parte do tom concedido ao discurso de Viola e caiu muito bem para convencer as pessoas da ideia que ela gostaria de defender. Quem estava na plateia, ou assistia de casa, pela TV, sabia o que aquele silêncio significava.

Criatividade

Muito mais do que uma celebração de tudo o que houve no ano anterior no cinema, o Oscar, já há alguns anos, representa um momento político e social. Os discursos do Oscar, muitas vezes, servem como verdadeiros protestos. E, para ser ouvido e ganhar destaque é fundamental ser criativo na criação do conteúdo.

Perceba que, a essa altura, sabemos que as palavras da sequência não serão, simplesmente, um muito obrigado pelo prêmio. Viola aposta na criatividade de um discurso que evoca questões de um povo que sofre há décadas, retratado no filme em que atuou. Mostra que os fatos que apareceram na telona são, também, parte de sua própria história.

E responde à própria pergunta:

“E eu digo: exumem esses corpos. Exumem essas histórias, as histórias das pessoas que sonharam grande e nunca viram esses sonhos se tornarem realidade. Pessoas que se apaixonaram e perderam. Eu me tornei uma artista – e graças a Deus me tornei – porque somos a única profissão que celebra o que significa viver uma vida.”

Engajamento

Aplausos quebram mais uma pausa corretamente encaixada ao discurso. A atriz segue mais rapidamente, para o trecho ligado às formalidades, em que cita os envolvidos, presentes na plateia, gerando engajamento.

“Então, um viva a August Wilson [autor da peça que inspirou o filme], que exumou e exaltou as pessoas comuns. E a Bron Pictures, Paramount, Macro, Todd Black, Molly Allen, Scott Rudin, por serem os líderes de torcida de um filme que é sobre pessoas. E sobre palavras, e vida, e perdão e graça. E a Michael T. Williamson, Stephen McKinley Henderson, Russell Hornsby, Jovan Adepo, Saniyya Sidney por serem os artistas mais incríveis com quem trabalhei.

E o capitão, meu capitão, Denzel Washington. Obrigada por colocar duas entidades no assento do motorista: August e Deus. Eles te serviram bem.”

Esse tipo de postura é fundamental para mantê-los atentos ao apresentador e, também, para que quem se apresenta possa sair, um pouco do foco, aproximando-se do público. As câmeras mostram as reações de cada pessoa citada e como mesmo aqueles que não fazem parte do discurso se conectam e se emocionam com o que está sendo dito.

Humanização

Dando continuidade à humanização da apresentação, Viola fala um pouco sobre si mesma. Mulher, negra, batalhadora. Nesse momento, atriz e personagem se misturam em um alinhamento perfeito dentro do storytelling que vem sendo traçado desde o início.

Assim como sua personagem, Viola teve uma trajetória de altos e baixos e deixa isso claro, de forma concisa, sem muitas palavras. O impacto está muito mais na performance do que no discurso, em si.

“E a Dan e Mary Alice Davis [pais da atriz], que estiveram e estão no centro do meu universo, as pessoas que me ensinaram o bem e o mau, como fracassar, como amar, como segurar um prêmio, como perder. Meus pais – sou tão grata a Deus por ter escolhido vocês para me trazer a esse mundo. Às minhas irmãs, à minha irmã Dolores, que está aqui, nós éramos as mulheres ricas e brancas nas brincadeiras. Obrigada por sua imaginação. E ao meu marido e à minha filha. Você [o marido] e Genesis são meu coração. Vocês me ensinam todos os dias como viver, como amar, sou muito feliz por tê-los como base da minha vida. Obrigada à Academia, obrigada.”

Essa apresentação de Viola Davis é, ainda, a prova de que o tempo de uma apresentação pouco influi em sua qualidade, desde que o discurso seja bem construído e a performance bem executada.

Isso vale também para você! Em alguns casos, 30 segundos dentro de um elevador é tudo que você tem para conquistar um investidor ou um cliente.

Para fechar, que tal observar tudo o que dissemos assistindo à performance original?

Vai sair de mãos vazias?

Baixe o nosso Guia de Apresentação de Impacto

E veja na prática como criar apresentações impactantes que vão surpreender o seu público!
BAIXAR AGORA
close-link